categorias: Cafés, Onde Ir

#Partiu Valparaíso: Ascensores, Café Turri e Taulat

Cidade portuária, – Valpo, para os íntimos -, lembra Salvador com suas enormes ladeiras e ascensores que ligam a cidade baixa à alta. Os ascensores equivalem aos planos inclinados de Salvador, só que os de lá são de madeira e bem precários. Minha amiga disse que parece um parque de diversões enferrujado. Você nunca sabe o que vai acontecer. Hahahahaha

Culpada Confesso - Carol Marques - Valparaíso - Ascensores
Na parte baixa temos que ter cuidado, pois acontecem muitos assaltos e, cá para nós, achei essa parte da cidade bem sujinha e mal cuidada. Sendo assim, preferimos nos manter na parte alta da cidade, onde concentram-se os hotéis, bares e restaurantes bacanas, mas também caros.
Chegamos mortas de fome, pois já era umas 13:30 e só tínhamos tomado o café da manhã, então o jeito era procurar algo pelas redondezas. O dono do hostel, muito gentil nos avisou que os preços na parte alta eram bem elevados e que na parte baixa da cidade encontraríamos preços mais justos. O problema é que a fome não olha para o bolso e assim acabamos escolhendo um restaurante bem ao lado do Cerro Concepcion, o Café Turri Restaurante.
Devo admitir que além da fome escolhemos o restaurante pela vista, pois nada melhor do que comer olhando para o mar.Olha só a vista da mesa que conseguimos na parte externa;

Culpada Confesso - Carol Marques - Valparaíso - Vista do restaurante

Os preços em Santiago e Valpo equivalem a bons restaurantes de São Paulo ou Salvador (média de R$ 60,00 o prato principal), o que encarece uma viagem longa, caso decidam comer em pelo menos um lugar bacana por dia. Mas acho melhor não comentar sobre preços agora, fiquem apenas com a vista.
Comida
Considerando que estávamos em uma cidade portuária a escolha do prato fica mais simples: Frutos do Mar ou Peixe. Eu escolhi um sashimi de atum fresco e minha amiga um peixe branco grelhado com salada (ela não lembra o tipo de peixe, mas ambos estavam excelentes!)
Culpada Confesso - Carol Marques - Valparaiso - Atum Selado
Culpada Confesso - Carol Marques - Valparaiso - Peixe
Para acompanhar um chopp da Stella Artois de 500 ml. Não foi exagero meu, só tinha esse de 500 ml mesmo, além de outras opções de cervejas importadas e nacionais, mas esse foi o melhor custo benefício, se é que dá para falar nisso.  Rs Minha amiga preferiu pedir um copo de vinho da casa.
Culpada Confesso - Carol Marques - Valparaiso - Stella Artois
Atendimento: ficamos chateadas com um dos garçons embora os outros tenham sido muito simpáticos. Logo ao chegar perguntei qual a especialidade da casa, mas como ele falou muito rápido não conseguimos acompanhar. Quando pedi para ele repetir, ele me disse impacientemente que “todos os pratos eram especialidades da casa”. Resultado: NADA DE PROPINA (gorjeta) para ele. Deixamos claro para o outro garçom o motivo pelo qual não estávamos pagando a propina e que nada tinha a ver com ele. Fiquei com pena, pois o outro foi tão gentil.
Fim do primeiro round, fomos dar mais uma volta pela cidade, conhecer La Sebastiana (Casa de Pablo Neruda em Valpo), o Museu a Céu Aberto e uma voltinha pelas ruas de casas coloridas.
La Sebastiana

Foto: http://www.fundacionneruda.org/es/galeria-sebastiana

2º round 
Banho tomado e ânimo retomado, partimos para conhecer a noite de Valparaiso. Confesso que esperava que fosse mais movimentada, mas, por outro lado, observamos que haviam poucos turistas hospedados por lá.  Muita gente faz bate e volta de Santiago para conhecer a cidade e, considerando por aqui o sol de põe lá pelas 20:30, dá para fazer isso com folga, desde que garanta com antecedência sua passagem de volta (orientação das guias de turismo da rodoviária).
Na nossa saída da noite, procuramos lugares interessantes e nos deparamos com um bar de tapas próximo ao hostel: o Taulat. Ambiente moderno e aconchegante com atendimento de primeira. Ficamos olhando o que as outras mesas pediram, pois ao olhar o cardápio tudo parecia muito bom e ficamos cheias de dúvidas.
Para abrir os trabalhos estreamos no Pisco Sour. Os chilenos e peruanos brigam pela patente da bebida, mas para mim não interessa quem inventou, o que interessa é que é muito bom!
Carol Marques - Valparaiso - Pisco Sour
E foi olhando as mesas vizinhas que escolhemos a nossa primeira tapa: chipirones (pequenas lulas) na chapa, com purê rústico de batata.
Carol Marques - Valparaiso - Lulas com purê rústico de batatas
Esperamos o prato quase terminar para pedir o próximo petisco, pois tem o tempo de preparação e queríamos comer ele quente. A escolha tinha sido o atum semicrudo, pedaços de atum numa base de rúcula, virutas de parmesão e salsa de soya-sesamo. Até então parecia uma ótima opção, quando vimos passar para a mesa do lado o petisco com polvo. Nossos olhinhos brilharam e ali mesmo, novamente copiando uma mesa vizinha, resolvemos pedir o polvo.
Carol Marques - Valparaiso - Polvo
Servido sobre finas fatias de batata, o polvo é temperado com páprica e azeite. A textura estava maravilhosa e o sabor muy exquisito! (Calma, esse é só um trocadilho!) É assim saímos encantadas pelo restaurante e trabalhando nosso espanhol. Acho que até o final da viagem vou sair fluente. Hahahahaha!
Inté

Deixe seu comentário